Publicidade:

Publicidade:

Publicidade:

Shipstern’s por quem conhece


Texto Fernando Maluf / fotos Andrew Chisholm

Nosso colaborador e local da Tasmânia, Andrew Chisholm, é atualmente o principal fotógrafo da poderosa Shipstern’s Bluff – uma das ondas mais pesadas do mundo. A cada swell, “Chiz” está lá para registrar tudo que rola na direita assassina – seja da segurança do canal ou de dentro d’água. Aqui você confere as melhores imagens já registradas por ele no pico e, a seguir, um raio X da onda mais cabulosa da Tasmânia.

Para quem não sabe, a Tasmânia é uma ilha estado localizada ao sul do continente australiano. Em seu litoral sudeste, a Tasmânia é recortada por uma baía com face para o sul, chamada Storm Bay, (Baía da Tempestade). Na ponta leste da Baía da Tempestade, na região do Cape Raoul, dentre os muitos paredões rochosos que separam a terra do mar, um se projeta de maneira especial água a dentro, desmanchando-se abruptamente num fundo raso de pedras. Ao alcançar esse fundo raso de pedra, ondulações geladas que percorreram milhares de quilômetros desde o Oceano Antártico transformam-se em tubos mutantes e assassinos da onda que chamamos Shipstern’s Bluff.

Shipstern’s foi durante muito tempo privilégio de poucos locais da Tasmânia, que, por falta de referências, a consideravam insurfável. Até que, em 1997, o desbravador Andy Campbell quebrou o feitiço e se jogou sozinho nas águas geladas da Baía da Tempestade para desvirginar os canudos deformados de Shipstern’s Bluff.

Depois disso, começou a crescer aos poucos na grande ilha australiana o boato de que a monstruosa onda da Tasmânia existia mesmo e era sim surfável. Então, nos idos de 2000, numa com o fotógrafo Sean Davey, os surfistas Kieren Perrow, Drew Courtney e Mark Matthews confirmaram os rumores e revelaram ao mundo o segredo de Shipstern’s. Embora seja hoje mundialmente famosa e uma referência no big surf, a dificuldade de acesso e as condições extremas do pico mantém Shipstern’s Bluff com o crowd de uma onda secreta.

Shipstern’s desperta a alma de qualquer surfista. Grandes nomes do surf, como Kelly Slater, Andy Irons e Joel Parkinson, já encararam a longa viagem até Hobart e a caminhada de quase uma hora numa trilha mal feita entre os arbustos secos típicos da região para dropar suas bombas.

Enquanto você decide se tem disposição – ou se tem condições – de embarcar numa viagem até os confins da Tasmânia e encarar os tubos sinistros da Baía da Tempestade, a HARDCORE traz pra você o melhor de Shipstern’s Bluff.

+Notícias

O power surf de Deivid...

Criado nas excelentes ondas da Prainha Branca, no Guarujá, Deivid Silva acaba de lançar seu...

Surf no Alasca: altas ondas...

Uma das últimas fronteiras do surf, o Alasca é conhecido por suas águas congelantes,...

Havaí 1977: Aqueles foram os...

Como era o Havaí em 1977 sob uma ótica surfística? Este é um vídeo muito...

“O surf é muito místico,...

Quando o furacão Epsilon chegou à Nazaré, Portugal, na semana passada, o surfista profissional...