Publicidade:

MUNDIAL EM SÃO FRANCISCO

Na linha do “surf urbano” com campeonatos em grandes metrópoles como Nova Iorque, durante a prova de Bells Beach foi anunciada onde será a única etapa móvel do World Tour. Este ano, o Rip Curl The Search (que já passou pelos picos mais isolados do mundo), aportará em São Francisco, Califórnia, em novembro. Na internet a discussão sobre o evento está trazendo à tona as mais diferentes opiniões. Alguns acreditam que o espírito “The Search” se perde com o campeonato acontecendo em grandes cidades, que a graça está em colocar os atletas em lugares mais inóspitos. Outros acreditam que a tendência é essa, que São Francisco também possui uma forte cultura surf e que as ondas e o clima de Ocean Beach fazem parte da linha The Search. Batemos um papo com o gerente de marketing da Rip Curl, Fernando Gonzalez, para saber mais sobre a etapa. HC: Por que São Francisco? O que fez com que esta cidade fosse escolhida para sediar o Rip Curl The Search? Fernando Gonzalez: Este ano os surfistas se encontram nas ondas de Ocean Beach, onde irão encarar as baixas temperaturas, fortes correntezas, potentes swells no Pacífico, além de vivenciar a rica cultura da cidade de São Francisco, na Califórnia. A idéia é mostrar um lado diferente do The Search. Se você olhar para as diferentes locações nos últimos seis anos, vai perceber a variedade no tipo de ondas. São Francisco leva o evento a uma nova dimensão: os melhores surfistas do mundo x os elementos – água gelada, ondas grandes e beachbreaks. Além da energia que a cidade emana, com certeza fará parte do legado do Rip Curl Pro Search. HC: Também não será um evento nos moldes “super estrutura” dos atuais (comoo US Open em Huntington). O que os levou a essa decisão? FG: O Rip Curl Pro Search nunca foi realizado com super estruturas, como por exemplo a que temos em Bells Beach. É sempre um evento móvel (anualmente) que apresenta apenas a estrutura básica para julgamento, mídia e transmissão necessária para realizá-la. O desafio de levar o evento todos os anos para um novo local é muito grande e a maior preocupação da organização é prover aos competidores ondas de qualidade internacional e promover o espírito do The Search dentro o World Tour. HC: Houve algumas reuniões com os locais? O que está sendo conversado com eles? FG: Certamente os locais tem um papel importante para realização do evento. Além de empregar um bom número de pessoas da região para ajudar e gerar movimentação comercial por onde o evento passa, a Rip Curl sempre se preocupa em deixar um legado permanente no local, seja ele relacionado ao meio ambiente local, à saúde em casos de locais com condições precarias de saneamento (ex. México) ou de infraestutura. HC: O que os leitores da HARDCORE podem esperar desta edição do The Search? FG: Os leitores da HARDCORE e o público que aprecia o surf competitivo podem esperar por um evento que vai desafiar os atletas do World Tour através de ondas fortes que podem facilmente chegar aos 10 pés de altura e boa formação dependendo de ventos terral. Certamente colocará os tops do WT em contato com condições de surf diferentes das encontradas nas outras etapas do WT, já que Ocean Beach é um beach break de qualidade internacional, com fortes correntezas, água gelada e temidos tubarões brancos ao redor. A cidade emana um clima bem urbano, o que será incorporado ao evento e teremos um novo ambiente para realização da única etapa móvel do WT. Surfing Big Ocean Beach 2011

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias