Backdoor Masters

Na sua última grande entrevista, Andy diz que sem Bruce, Dusty é seu grande companheiro no Tour e vai mais longe, diz que quando está inspirado, Dusty é capaz de tudo. Com a corda no pescoço, Dusty Payne precisa varar pelo menos 3 baterias para se manter entre os Top 32. Kiron Jabour e Saca foram suas primeiras vítimas. Fez uma das 5 melhores baterias de 2010 contra Fanning e foi generosamente bem julgado. Sem Pipeline quebrando por quase um mês, todo Pipeline Masters em homenagem ao Andy Irons foi realizado no Backdoor. Kieren Perrow e Jeremy Flores chegaram à final numa série inacreditável de viradas no último minuto. Slater fez um 10. Jeremy virou em cima de Kieren. Pela primeira vez um europeu vence no Havaí. Flores passa Adriano no ranking e quase o empurra pra fora dos Top 10. Owen chega até as quartas e rouba o rookie of the year do Jadson também no último minuto. Slater ganha seu enésimo Surfer Poll, desta vez com a cerimônia lá mesmo no Havaí – Dane Reynolds rouba a cena com o discurso do ano. Dusty Payne on Maui

Encontro inadiável

Julian, Raoni, Heitor,  Kerrzy e Alejo são os novatos da turma de 2011. Comeram pedra para entrar no mais difícil ano da história da ASP. Heitor, Raoni e Josh Kerr ja estiveram por lá. Raoni chegou cedo demais (2004), Kerrzy talvez um pouco tarde (2007), Heitor é um batalhador sério e concentrado. Talento por talento talvez Raoni (que seria o campeão do circuito dos primes, caso houvesse um) seja o melhor deles todos. O problema é que talento puro nunca foi suficiente para um título mundial. Nem Slater, nem Curren, nem Andy, nem Carroll fiaram-se apenas no talento. E vendo Alejo evoluindo como temos visto é de se esperar boas surpresas. Julian Wilson tem o poder da mídia o empurrando e fez uma temporada havaiana brilhante, mas, na minha opinião, será Alejo que fará mais barulho. Como diria o Pablo, ninguém é mais criança. Heitor Alves – Rapaze

King Kelly e seu cortejo

O futuro do surfe profissional está nas mãos de um senhor de 40 anos de idade. Apesar de toda fortuna que se gasta com os novos talentos, como os alardeados 1.5 milhões de Verdinhas ao Jordy ou o milhãozinho do Julian Wilson, quem manda nessa joça e dita o ritmo é Slater. Se hoje existe interesse nos campeonatos como jamais houve, a culpa é exclusiva do careca. É ele, e apenas ele, que todos querem desafiar, é ele que todos desejam destronar. Sem Andy no circuito para afrontar Slater com desaforos dentro e fora d’água, resta saber quem vai se apresentar peitando o campeão dos campeões. Mick é o que tem melhor retrospecto contra ele e pode vencê-lo em quase qualquer situação. Parko tem o fogo, falta-lhe a sorte. Taj ja mostrou que não tem fôlego para uma temporada inteira, a pressão pesa muito nos seus ombros. Bede é um devorador de pecados, você erra e ele te engole, seria ele capaz de transformar-se num dominador ? Não creio. Mineiro não tem medo do lobo mau Slater, peca no entanto por não ser capaz de superá-lo em qualquer condição, Pipe ou França como Andy fazia e os dois sabem muito bem disso. Owen Wright tem todas credenciais para dar o passo à frente. Tem a frieza do Damien Hardman, a explosão e criatividade do Pottz, competitividade do Mark Richards, versatilidade do próprio Slater e entuba bem pros dois lados, falha que infelizmente Taj, Mick, Parko e Jordy têm em comum. Dane ainda não despertou seu animal competitivo que dorme dentro dele e é pouco provável que se interesse no título tão cedo, mesmo assim é o único sujeito capaz de surpreender qualquer a qualquer momento. Ninguém desconfia dos planos do Slater para 2011, mas algumas coisas são certas. Ele estará na primeira etapa, e todos outros 3 Quik Pro e se tudo lhe correr bem… Bem, vocês já conhecem essa história. Kelly Slater Evolution of a 10 Time World Champion