O forte swell que atingiu o Hawaii no último final de semana foi muito bem aproveitado por big riders, especialmente em Jaws, que, se não quebrou na sua maior perfeição, tinha um tamanho considerável nas maiores séries. A quase ausência de jet skis contratados para operar os resgates – em certos momentos, haviam apenas dois para os cerca de 60 surfistas – provocou uma intensa discussão sobre as condições de segurança para o freesurf no pico. Quem levantou a bola foi o local Albee Layer, em sua conta no Instagram.

“A questão da segurança dentro da água é ridícula. O fato de que fotógrafos estão mais dispostos a gastar para fazer suas imagens do que os surfistas com sua segurança é ridículo”, começou. “Existem ótimas equipes de salva-vidas aqui, mas depois de anos se arriscando de graça para salvar surfistas aleatórios, faz sentido que eles prefiram ganhar 600 dólares para trabalhar com um fotógrafo”.

Veja também: No Hawaii, alarme falso e bombas só dentro d’água

Inúmeros surfistas responderam aos pontos levantados por Layer, a maioria concordando. “Jet skis de segurança são para quem os contratou. Você rema até o pico por sua própria conta e não pode esperar que alguém te salve se você não planejou isso antes”, comentou o shaper Matt Kinoshita, também de Maui. “Concordo totalmente”, escreveu Shane Dorian. “Eu fico maluco quando vejo um cara entrando no mar pelas pedras, sem nenhum plano de segurança, simplesmente esperando que ele seja resgatado”, continuou.

Crowd cada vez mais intenso no freesurf em Jaws. Heff/WSL

Entre os fotógrafos, que também acabaram envolvidos na polêmica, quem comentou foi Tom Servais. “Muitos caras aparecem e esperam receber ajuda de graça de quem quer que esteja pilotando os jets de segurança”, escreveu. “Se os fotógrafos podem gastar 100 dólares para contratar um jet ski, por que os surfistas também não podem?”, concluiu.

Mais tarde e mais calmo, Albee Layer voltou a ponderar sobre a questão, em entrevista à australiana Stab. “Acho que alguns caras sentem que eles não querem ou não precisam de uma equipe de segurança, o que é legal. Se você se sente confortável entrando num mar daqueles sozinho e por sua própria conta, isso é uma decisão sua. Mas sim, muitas caras entram numa situação de perrengue e esperam que os seguranças os salvem sem receber nada em troca”, disse. A situação acaba colocando uma pressão ainda maior nos poucos homens que estão lá para isso. “Se alguém está em perigo, mesmo que não tenha pago aos salva vidas, eles vão ajudar, não vão ficar sentados olhando. O resultado é que ficam dois caras como responsáveis pela vida de 60 surfistas”, concluiu.

Confira abaixo, na íntegra, a postagem de Albee Layer:

After today’s jaws swell a rant is currently needed. And I’ll be the guy… again even though all the surfers I respect agree with most of these points. The water safety thing is ridiculous. The fact photographers are willing to give more money for a photo than surfers for their safety is ridiculous. We need to find a way to put surfers in contact with water safety and maybe a gofundme site or something so they can’t be bought out by photographers. There are a lot of great water safety teams here, but after years of saving random people for no reason it makes sense they would rather hang in the channel making $600 cruising around with a photog. Lets work together to fix this because it puts everyone in danger including those of us who hire water safety. With a wall of skis trying to get the shot waking up the inside and getting in the way. That’s my rant for the day. Sorry for the grammar and if I offended anyone pretend it’s someone you like bringing up these points.

Uma publicação compartilhada por Albee Layer (@live.fast.die.old) em