HARDCORE #338 • GROMMETS

Em 2018, os brasileiros se tornaram a maioria no World Tour, e esta edição, especial grommets, chega para comprovar que tal domínio tem tudo para se perpetuar por muitos anos.

Na capa, Ryan Kainalo, na linha de frente da novíssima geração, espanca Off-The-Wall na última temporada havaiana – cena registrada por Alex Miranda.

Com 12 anos e muitos troféus na estante, Ryan é o personagem do perfil Franca Evolução, sobre os primeiros anos da carreira de um garoto que afirma surfar por diversão, mas não esconde a determinação de chegar no topo.

Novos talentos temos de sobra, e a prova disso é a nossa selação Hot 30 – Grommets. Surfistas de todo canto do Brasil, que trilham suas carreiras amadoras e miram um sonho em comum: o título mundial. Ryan Coelho, Murillo Coura, Sophia Medina, Dudu Motta, Lucas Vicente, Pâmella Mel e muitos outros que prometem.

E não tem como falar da novíssima geração sem falar sobre o Instituto Gabriel Medina. Um dos mais completos centros de treinamento do mundo é o tema da reportagem Lapidando Campeões. O primeiro ano de trabalho e o que está por vir é comentado por Simone Medina (presidente), Allan Menache (preparador físico), Alex Leco (técnico) e Fábio Maradei (comunicação).

Já no 10 Perguntas o entrevistado é o ex-Top do WCT Danilo Costa, que trabalha para garimpar novas joias no Rio Grande do Norte e no Nordeste. Após uma temporada como técnico de Jadson André, o tuberider se dedica agora a lapidar o talento bruto de Felipe Bezerra, de apenas 12 anos.

Com a exposição provocada pelos títulos mundiais de Medina e Adriano de Souza, a explosão midiática da Brazilian Storm e a entrada do surf nas olimpíadas, a nova geração está no holofote dos patrocinadores. Referências nos bastidores, Leandro Dora, Pedro Falcão, Priscila Ceppe, Daniel Cortez e Luiz Campos Pinga analisam a busca e a formação de novos talentos, e como está a cena atual.

Agora, onde estão os recentes ex-grommets, que já migraram para os competições adultas? Weslley Dantas e Victor Bernardo refletem sobre suas carreiras amadores e como tem sido a transição amador para profissional.

E tem mais: Prancha Mágica com Sophia Medina; Polaroids de Chloé Calmon; Quadro a Quadro com Samuel Pupo; Sweet and Sour de Janaína Pedroso; Alma Hardcore com Andrei Malhado; Mau Domingues no Art Room; Darkroom com Heverton Ribeiro; e mais!

HC de abril nas bancas! Garanta a sua!

***

FRANCA EVOLUÇÃO
por Kevin Damasio
fotos de Alexandre Gennari, ilustração de Edu Menezes

Em um primeiro momento, o baixo tom de voz confere a Ryan Kainalo um aspecto tímido, mas em poucos minutos o paulistano se revela um tipo focado e articulado de uma maneira que espanta para apenas 12 anos de idade. Ele trata de deixar claro que surfa por diversão, sem se colocar pressão por resultados, mas não esconde que deseja entrar para a elite mundial o quanto antes.

[…] “Na real, eu comecei por brincadeira”, conta Ryan, em uma tarde na recepção da produtora Trator Filmes, cujo dono é seu pai, Alex Miranda. O ano era 2015 e Ryan tinha 8 anos. O circuito Hang Loose Surf Attack iniciava-se com a etapa de Itamambuca. Na semana anterior, Ryan tomara quatro pontos na cabeça após tomar uma quilhada de um stand um naquela mesma praia. “Parece que foi combinado. No final de semana seguinte, eu ganhei meu primeiro campeonato.” […]

***

HOT 30 – GROMMETS

por Kevin Damasio

Eles vêm de vários cantos do país e possuem um sonho em comum: entrar na elite e ser campeão mundial. A atual geração brasileira do World Tour tem inspirado os novos talentos que já despontam com uma obstinação que nos deixa otimistas em relação ao futuro do surf nacional. Nas páginas desta matéria, conheça algumas das novíssimas e promissoras apostas, cujas histórias estão em construção e apontam para um extenso horizonte de conquistas.

***

LAPIDANDO CAMPEÕES

por Kevin Damasio

fotos Aleko Stergiou

Simone Medina, presidente do IGM: “Conseguimos unir num só projeto o social, a alta performance e o pedagógico, e isso me deixa muito feliz, pois, além de estar proporcionando bem-estar, formamos cidadãos.”

Alex Leco, preparador técnico: “Nosso foco é realmente deixá-los prontos para que, quando alcançarem um cenário de surf profissional e internacional, cheguem da melhor maneira possível, seguindo os critérios para que possam ter bons resultados, para serem campeões.”

Allan Menache, preparador físico: “Um grommet, apesar de ser atleta, é uma criança e devemos respeitar seu estágio maturacional com alguns cuidados. O principal é o uso de cargas de trabalho controladas, isto é, um peso usado que não prevê uma progressão como fazemos com um atleta adulto.”

Fábio Maradei, comunicação: “Temos um trabalho bem legal que fico feliz de fazer. A molecada obedece, pede, orienta. A gente já usou como mídia training os VR, aparelhos da Samsung de realidade virtual. Usamos para perderem um pouco de medo de falar em público. Alguns tinham bloqueio, e começaram a falar, treinar.”

***

10 PERGUNTAS: DANILO COSTA

por Fernando Maluf

Aos 40 e aposentado das competições há três anos, Danilo quer fomentar o desenvolvimento de atletas no Rio Grande do Norte e no Nordeste. No contraste entre um presente com mais estrutura de trabalho e um passado com mais apoio financeiro, o potiguar enxerga a possibilidade de um futuro próspero para as novíssimas gerações nordestinas e brasileiras como um todo.

Danilo Costa: “A região do Rio Grande do Norte e dos estados próximos, Ceará, Paraíba, Pernambuco, tem um circuito competitivo grande que funciona muito bem para os talentos que estão começando. Um dos problemas, na minha opinião, é que as marcas que patrocinam os atletas querem muito resultado e muito rápido. Isso dificulta o desenvolvimento.”