23 C
Papeete
quarta-feira, 22 maio, 2024
23 C
Papeete
quarta-feira, 22 maio, 2024

Você conhece o critério “anti-Medina” criado pela WSL?

Muita gente não sabe, mas desde a volta do Championship Tour – CT, a WSL está aplicando a nova regra batizada informalmente de “anti-Medina” no critério de julgamento.

Mais precisamente, em situações de interferência entre competidores, como foi o caso da polêmica rabeada de Gabriel Medina em Caio Ibelli, durante o Pipe Masters realizado em dezembro de 2019, no Havaí.

Na ocasião, ficou famoso o comando do padrasto e então técnico de Gabriel Medina, Charles Cardoso, para o brasileiro cometer interferência e assim impedir uma eventual virada do compatriota Caio Ibelli.

Leia também: 
+ Como vai ser o surf nas Olimpíadas
+ Brasil faz boa estreia no ISA World Surfing Games 2021
+ 51 países disputam ultimas vagas olímpicas no ISA World Surfing Games

Pela atitude, o surfista de São Sebastião (SP) foi punido com uma interferência e teve a sua segunda melhor onda retirada do somatório.

O incidente garantiu a vitória de Medina e anulou qualquer eventual chance de virada por parte de Caio Ibelli. No entanto, desencadeou uma onda de debates acalorados mundo afora.

Agora, com o novo regulamento da WSL, a história seria outra, pois o atleta que cometer uma interferência como a de Medina, terá a melhor onda retirada do somatório e ainda correrá grande risco de ser eliminado da etapa caso os juízes entendam que a ação de bloqueio tenha sido proposital.

Sendo assim, com o novo critério “anti-Medina”, o surfista que cometer interferência perderá a segunda melhor onda apenas se a bateria estiver antes dos cinco minutos finais.

Outra punição prescrita no regulamento da WSL diz respeito a quando houver interferência ainda sem a definição da prioridade na bateria; neste caso, o surfista infrator terá a segunda melhor nota dividida pela metade.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias