24 C
Papeete
quarta-feira, 22 maio, 2024
24 C
Papeete
quarta-feira, 22 maio, 2024

ISA Games 2023: Brasil sofre primeiras baixas

Um swell de seis a oito pés chegou ao ISA Games 2023 em El Salvador. O dia de competições desta segunda-feira (5) valeu a qualificação para as Olimpíadas de Paris 2024 a diversos atletas. A rodada 4 principal feminina foi concluída em La Bocana, junto com as rodadas de repescagem masculina 5 e 7, enquanto as rodadas 4 e 7 da repescagem feminina também foram encerradas em El Sunzal.

O Brasil sofreu as primeiras baixas na competição, com Luana Silva ficando na terceira colocação na bateria 5 da quarta rodada da repescagem, onde enfrentou sua compatriota Silvana Lima que avançou ao lado da sul-africana Sara Baum, primeira colocada na disputa.

Entre os homens, Filipe Toledo deu adeus ao mundial da ISA na quinta bateria da sexta rodada da repescagem ao terminar na quarta colocação.

Gabriel Medina é o único surfista do Brasil que ainda se mantém no evento principal, enquanto Silvana Lima e João Chianca disputam a repescagem, e precisam encaram uma maratona de baterias para chegar à final.

Cinco das oito vagas olímpicas oferecidas no Mundial da ISA foram conquistadas, com vários cenários, geralmente entre membros da mesma equipe em busca da única vaga de classificação continental disponível.

ISA Games 2023
Silvana Lima avança. Foto: Jersson Barboza

Jordy Smith (AFS) se tornou o primeiro surfista a se qualificar oficialmente a Paris 2024 pelo Mundial da ISA 2023 depois que Teva Bouchgua (MAR) foi eliminado na repescagem. Embora Jordy também tenha uma forte probabilidade de se classificar via ranking WSL, Smith ficou aliviado ao confirmar sua vaga em El Salvador. Esta será a primeira Olimpíada do veterano, após sua desistência de Tóquio 2020 devido a lesão.

Se Smith se qualificar pelo CT, sua vaga irá para o próximo atleta classificado no ranking da ISA 2023, independentemente do continente.

“A garantia é sempre a melhor opção”, diz Smith. “Para mim, é impressionante poder me classificar agora. Ter a oportunidade de surfar em Teahupo’o vai ser uma loucura. Vou lá desde os 14 anos, então tenho muita experiência. Espero que a mãe natureza colabore nesses dias e saiamos com ouro.”

A companheira de equipe de Smith, Sarah Baum (AFS), teve uma jornada mais longa para o alto nível do esporte internacional. Depois de quase se classificar para o CT, da WSL, a jovem de 29 anos levou mais de uma década para finalmente alcançar o auge e conseguir a vaga olimpíca.

+ Legends do surf paulista dão show na abertura do SPSurf Master 2023

“Honestamente, estou sem palavras”, fala Baum. “Tem sido uma montanha-russa de emoções, então finalmente fazer isso e ter toda a equipe aqui, as bandeiras estão voando por toda parte, todos estão gritando, é apenas um sonho que se tornou realidade. Eu estou tão feliz”.

As três vagas restantes irão para um homem da Ásia e um homem e uma mulher da Europa. Três surfistas permanecem na disputa pela Ásia: o medalhista de ouro da ISA 2022 e de prata nas Olimpíadas 2020, Kanoa Igarashi (JAP), o medalhista de prata ISA 2022, Rio Waida (IND), e Reo Inaba (JAP). Quem ficar mais alto no evento fica com a vaga. Cinco homens europeus de cinco países diferentes, permanecem na disputa, junto com seis mulheres de quatro países.

Como cada uma das outras mulheres que buscavam a vaga para a Ásia foram eliminadas uma a uma ao longo das rodadas de repescagem, a japonesa Shino Matsuda (JAP) ficou emocionada ao se classificar pela segunda vez.

ISA Games 2023
Após susto inicial, João Chianca vem fazendo uma grande competição. Foto: Pablo Jimenez

Depois de perder sua vaga provisória em Tóquio 2020 no Mundial da ISA 2021, foi uma doce redenção para Matsuda ser a primeira surfista do Japão a se classificar oficialmente para as Olimpíadas. A jovem de 20 anos também está feliz por ter tempo e se preparar para as ondas de Teahupo’o, Taiti, palco do surfe em Paris 2024.

“Estou muito feliz por conseguir a qualificação um ano antes das Olimpíadas acontecerem”, conta Matsuda. “Teahupo’o é um local muito desafiador, então gostaria de me preparar no próximo ano para conseguir boas ondas lá.”

A vaga na Oceania ficou com as companheiras neozelandesas Paige Hareb e Saffi Vette. Hareb ainda estava na rodada principal, no entanto, uma lesão no joelho sofrida durante a bateria da 3ª rodada a deixou incapaz de competir e Paige caiu para a repescagem. Enquanto isso, Vette escapou por quatro baterias da repescagem, surpreendendo até a si mesma ao terminar à frente de Hareb e pegar a vaga.

“Estou obviamente animada, mas muito apavorada também”, explica Vette. “Nunca estive no Taiti antes. Estou muito animada. Estou pronta, eu acho. Pronta como nunca estive.”

Apesar de ser a segunda Olimpíada de Billy Stairmand (NZL), as emoções ainda eram altas. “Segunda vez, mas parece exatamente o mesmo da primeira vez”, esclarece Stairmand. “Foi uma longa jornada para voltar.”

O atleta de 33 anos esteve extremamente perto de derrotar o eventual medalhista de ouro Ítalo Ferreira (BRA) na terceira rodada dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. “Eu sinto que em Tóquio eu meio que deixei um pouco de lado. Estou ansioso pelo Taiti e por ultrapassar meus limites novamente e espero me jogar e conseguir alguns bons tubos e espero progredir e ganhar uma medalha para a Nova Zelândia”.

Com base no sistema de qualificação atualizado para os Jogos Olímpicos de Paris 2024, todas as vagas conquistadas no Mundial da ISA de El Salvador são confirmadas e não podem ser substituídas em eventos posteriores. Todos os lugares de qualificação estão sujeitos a nomeação dos respectivos comitês olímpicos nacionais e cada surfista classificado do CT que atenda aos Requisitos de Elegibilidade Olímpica da ISA.

Carlos Muñoz se inspira nos irmãos Irons

Um forte vento de costa perfeito para as direitos de La Bocana entrou e Carlos Muñoz aproveitou ao máximo a oportunidade nos minutos finais de sua bateria da 5ª rodada da repescagem, impulsionando um gigante aereo.

“Eu com certeza precisava de uma pontuação e vi a rampa à frente e pensei: ‘oh, tenho que ir em frente’”, explana Muñoz. “Gosto de assistir muitos vídeos de Andy Irons e Bruce Irons e esses são os tipos de aereos que gosto de fazer. Estou feliz por ter conseguido. Foi meio complicado, quando olhei para baixo, pensei: ‘meu Deus, vou morrer, mas tudo correu bem’”.

Local salvadorenho se destaca

Porfirio Miranda tem orgulho de chamar de lar o local do Mundial da ISA. O salvadorenho teve uma incrível sequência de vitórias durante o evento, dando show a cada vez que batia na água. Embora sua sequência tenha chegado ao fim na rodada 6 da repescagem, Miranda representou extremamente bem a nação anfitriã.

“Estou muito feliz por competir no Mundial da ISA aqui em casa, El Tunco, em La Bocana e El Sunzal”, expõe Miranda. “Estou feliz por representar todo o meu povo. Muito grato a Deus pela oportunidade, cada bateria tem sido emocionante”.

Highlights do dia 06:

A competição será retomada nesta terça-feira, às 11 horário de Brasília, com a rodada 5 masculina, com local a ser confirmado pela organização.

A competição pode ser acompanhada ao vivo em isasurf.org.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias