26 C
Papeete
quinta-feira, 23 maio, 2024
26 C
Papeete
quinta-feira, 23 maio, 2024

Na carona do Tsunami de 2011, espécies alienígenas invadem o Pacífico

O tsunami no Japão em 2011 foi catastrófico, matando quase 16.000 pessoas, destruindo casas, infraestruturas e levando cerca de 5 milhões de toneladas de destroços para o mar.

Esses destroços, contudo, não desapareceram. Parte deles espalhou-se por todo o Pacífico, alcançando as costas do Havaí, Alasca e Califórnia – e com eles vieram os “caronas”.

Quase 300 espécies não nativas diferentes pegaram uma carona pelo oceano no que pode ser considerado uma invasão em massa de espécies alienígenas a ambientes aos quais não fazem parte.

Leia também:

+ V-Reef: o projeto de reef artificial que se adapta a qualquer swell

+ “Qual prancha comprar? O que fazer com a prancha mágica?” Jamie O’Brien responde

+ Sete praias para você aprender a surfar

Em 2017, o Centro de Pesquisa Ambiental Smithsonian registrou 289 espécies marinhas japonesas que foram transportadas para costas distantes após o tsunami, incluindo caramujos marinhos, anêmonas do mar e isópodes, um tipo de crustáceo.

A chegada dessas espécies representa um perigo enorme e quase sempre desconhecido.

Espécies alienígenas podem reduzir os habitats de espécies nativas, transmitir doenças e colocar ainda mais pressão sobre os ecossistemas já pressionados pela pesca predatória e poluição.

De acordo com David Barnes, ecologista bentônico marinho do British Antarctic Survey e professor visitante na Universidade de Cambridge, essa migração forçada aumenta o risco de extinção [enquanto] reduz a biodiversidade, função do ecossistema.

O tsunami também mostrou algo novo…

Tsunami japão
Um peixe bico listrado nada em uma caixa cheia de água a bordo de um barco japonês que chegou à costa no estado de Washington, EUA. Cinco dos peixes sobreviveram pegando carona no Pacífico. Foto Allen Pleus / AP

O tsunami também mostrou algo novo: muitos dos animais sobreviveram mais de seis anos à deriva, mais tempo do que se pensava ser possível.

Vale ressaltar que a chamada “dispersão oceânica” é um fenômeno natural. Os organismos marinhos se ligam a objetos flutuantes, como o lixo marinho, e viajam centenas de quilômetros. Machos de algas marinhas flutuantes, como o sargaço, às vezes com três metros de espessura, abrigam certas espécies no Atlântico, como peixes de recife ou peixes-cachimbo e cavalos-marinhos, que são péssimos nadadores.

A professora Bella Galil, curadora do Museu Steinhardt de História Natural da Universidade de Tel Aviv, explica que essa dispersão oceânica é uma característica fundamental da biogeografia e ecologia evolutiva marinha, frequentemente invocada para explicar as origens dos padrões globais de distribuição de espécies.

Mas, embora seja relativamente raro uma espécie não nativa sobreviver com sucesso em um novo ambiente, explica a professora, o enorme aumento de resíduos sendo despejados no mar, bem como as redes de pesca abandonadas, permite a bioincrustação (organismos aquáticos fixando-se onde estão não queria) em uma escala muito maior do que se fosse feita de forma natural.

Mais um problema relacionado ao lixo marinho

Os estudos levantados em relação à consequência do lixo marinho produzido pelo Tsunami de 2011 também revelaram mais uma problemática relacionada à poluição dos mares, sobretudo em relação ao lixo plástico.

Nas últimas duas décadas a quantidade de lixo plástico despejado incorretamente no mar aumentou cem vezes nas últimas décadas. os plásticos marinhos nas últimas duas décadas, o que David Barnes classifica como “modificador do ecossistema”.

“O plástico, em particular, aumentou enormemente as possibilidades de transporte em termos de quantidade de resíduos, sua variedade (em tamanho e estrutura), para onde vai e por quanto tempo flutua”, diz ele. “Além disso, o plástico pode aumentar a disseminação local de espécies invasoras quando elas chegam e se estabelecem”.

Uma compilação de 2015 listou 387 espécies, de micro-organismos a algas marinhas e invertebrados, encontrados em no lixo marinho, em todas as principais regiões oceânicas.

Alguns dos ambientes mais preciosos do mundo podem estar ameaçados, incluindo as Ilhas Galápagos.

400 partículas de plástico por metro quadrado foram encontradas nas praias mais afetadas das ilhas, e parte desse plástico hospedava espécies não nativas , não é difícil imaginar uma espécie alienígena ameaçando a vida selvagem única das ilhas.

Outras ilhas remotas como Santa Helena, Ascensão e Tristão da Cunha também são “altamente vulneráveis ​​à invasão”, relatou Barnes, devido ao “pouco tráfego marinho e espécies endêmicas intactas”.

Rastreando o lixo marinho

Cientistas acreditam que parte da solução está no rastreamento desse lixo marinho. O Sistema Integrado de Observação de Detritos Marinhos (IMDOS), um sistema proposto – embora ainda não implementado – que combinaria imagens de satélite, pesquisas com redes de arrasto, observações de navios e dados enviados a várias organizações para rastrear lixo marinho.

Outro esforço para padronizar o monitoramento do plástico marinho é Floating Ocean Ecosystems (FloatEco), um projeto multidisciplinar, parcialmente financiado pela Nasa, para entender melhor a dinâmica dos plásticos flutuantes em ambientes de oceano aberto. E há organizações como a Ospar, que reúne 15 governos e a União Européia para cooperar na proteção ambiental do Nordeste do Oceano Atlântico.

Uma vez que é impossível impedir os organismos de fazerem o que querem, a única maneira real de repelir espécies alienígenas é reduzir a sua circulação. O monitoramento e a colaboração são importantes, mas o mais importante é fechar a torneira do lixo marinho.

Fonte: The Guardian

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias