Publicidade:

Após 15 anos, Equador volta a receber competições da WSL

Após 15 anos o Equador volta ao calendário do Circuito Mundial de Surfe Profissional, agora promovendo duas etapas seguidas do World Surf League Qualifying Series – QS para homens e mulheres competirem neste mês de junho.

A primeira será o “Corona Montañita Open apresentado pela Hyundai New Tucson 2022 e Prefeitura de Santa Elena”, dos dias 16 a 20, em Montañita. A outra é o “Corona Salinas Open apresentado pela Hyundai New Tucson 2022 e Prefeitura de Santa Elena”, de 23 a 27, em Salinas, que foi palco da única etapa da WSL realizada no Equador, em 2005.

Os dois eventos têm status QS 1000 e valem 1000 pontos nos rankings regionais masculino e feminino da WSL Latin America, que indicarão os surfistas da América do Sul para disputar as etapas do Challenger Series no segundo semestre, classificatórias para a elite do World Surf League Championship Tour de 2022.

Veja também:
+ Logística e altos custos: entrave a surfistas brasileiros que disputam etapas do QS em 2021
+ Guia das Olimpíadas: tudo sobre o surf

Competidores de 13 países já confirmaram suas inscrições nas categorias masculina e feminina, incluindo o Equador. Entre os estrangeiros, há surfistas do Brasil, Peru, Chile, Argentina, Uruguai, Colômbia, Costa Rica, Porto Rico, Panamá e até dos Estados Unidos e de Portugal.

Na lista dos surfistas que irão participar do “Corona Montañita Open” e do “Corona Salinas Open”, estão os atuais campeões sul-americanos da WSL Latin America, o brasileiro João Chianca e a peruana Daniella Rosas, bem como os da categoria Pro Junior Sub-18, o peruano Raul Rios e a brasileira Tainá Hinckel.

O campeão do ranking regional da WSL North America, em 2018, o peruano Lucca Mesinas, também está confirmado, assim como o principal nome do surfe equatoriano, a campeã sul-americana de 2011 e 2018, Dominic Barona.

Equador de volta ao circuito mundial de surf

João Chianca
Na lista dos surfistas confirmados nos eventos estão os atuais campeões sul-americanos da WSL Latin America, o brasileiro João Chianca (Foto) e a peruana Daniella Rosas. Foto: Reprodução

Este retorno às praias equatorianas da principal competição de surfe no mundo conta com total apoio do Governo Federal do Equador e três ministérios estarão envolvidos institucionalmente em toda a programação: o do Turismo, o do Esporte e o da Saúde, que estabeleceu os protocolos de proteção contra a Covid-19 a serem seguidos por todos.

A expectativa é de que os eventos aconteçam com total segurança para os atletas, as comissões técnicas e o staff local. Para isso, será limitada a presença de público nas praias, tanto em Montañita quanto em Salinas, ambas localizadas na Península de Santa Elena, que ficam a aproximadamente duas horas ao sul do aeroporto de Guayaquil.

MONTAÑITA – O palco do “Corona Montañita Open apresentado pela Hyundai New Tucson 2022 e Prefeitura de Santa Elena” é um pointbreak de direitas que quebra perfeito com swell de Norte ou Sul durante quase o ano todo, principalmente entre os meses de março e agosto.

Montañita é conhecida como uma das melhores ondas do Pacífico Sul, sendo um dos picos preferidos por surfistas de vários países da América Latina. Em 2013, essa praia sediou o Mundial da ISA (International Surfing Association), que contou com a participação de alguns campeões mundiais da World Surf League, como a heptacampeã Layne Beachley e Sunny Garcia.

SALINAS – A Playa de la FAE, que vai sediar o “Corona Salinas Open apresentado pela Hyundai New Tucson 2022 e Prefeitura de Santa Elena”, é apontada como local das ondas mais consistentes do Equador.

Localizada dentro de uma base militar, é formada por uma baía com várias opções para surfar esquerdas e direitas em fundos de pedra e de areia.

Salinas já recebeu o Mundial da ISA três vezes, em 2004, 2009 e 2014. O local também sediou a única etapa da World Surf League, em 2005.

O evento foi válido pelo Qualifying Series com nível duas estrelas, na praia Punta Carnero, onde o brasileiro Heitor Alves conquistou o título derrotando três norte-americanos na grande final: Andrew Gahan (2º lugar), Travis Mellen (3º) e Mike Losness (4º).

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias

Tubarões surfam correntes oceânicas para...

Uma equipe de pesquisadores Florida International University (FIU) chegou à conclusão de que tubarões...

Surf olímpico de 2032 poderá...

Qual se o surf olímpico de 2032 fosse disputado nas ondas da Gold Coast? Bem,...

Guia das Olimpíadas: tudo sobre...

O skate estreia nas Olimpíadas de Tóquio em julho de 2021. Essa introdução é...

Skate downhill: velocidade máxima na...

Poucas coisas são mais intensas do que descer uma estrada de serra de skate...