A WSL anunciou, nesta sexta-feira, véspera da abertura do circuito mundial, uma mudança no formato de disputa das etapas.

Em 2018, não haverá mais a rodada “sem-perdedores”, tanto no masculino quanto no feminino. O round 5, entre os homens, e o round 4, entre as mulheres, para onde iam segundos e terceiros colocados da rodada anterior, não existirá mais.

Agora, classificam-se para as quartas de final o primeiro e segundo colocados de cada bateria nesta fase, e o terceiro é eliminado.

A existência de uma rodada que não eliminava diretamente nenhum surfista e, consequentemente, exigia a disputa de mais um round, sempre foi controversa. As críticas apontavam que era uma fase desnecessária na disputa, que não tinha atrativos ao público.

Muitos alegavam, porém, que a fase era justamente onde se viam algumas das performances mais progressivas de todo o CT, já que os atletas surfavam sem pressão.

O melhor exemplo disso é a nota 10 de Filipe Toledo em Jeffreys Bay, exatamente nesse round, quando acertou dois alley oops muito altos na mesma onda e redefiniu os parâmetros do que era possível fazer naquela onda.

O objetivo da mudança é diminuir a duração dos eventos, facilitando um pouco a árdua tarefa de concentrar os melhores surfistas (e os momentos mais importantes de cada etapa) nas melhores condições do mar.

Outra mudança que vai na mesma direção é a inclusão de Gold Coast e Hossegor entre os campeonatos que podem acontecer com baterias simultâneas dentro da água. O formato era permitido, antes disso, apenas em Pipeline, Bells Beach e Jeffreys Bay.

Hablas español?

A WSL também anunciou novidades para a transmissão dos eventos. A partir desse ano, haverá também a transmissão em espanhol, ampliando consideravelmente o espectro do público alvo que pode acompanhar o circuito. As transmissões em português e inglês continuam normalmente.

Também foi confirmada a transmissão das etapas do CT, dos eventos de 10 mil pontos do QS, do Big Wave Tour e do Word Juniors exclusivamente no Facebook para os próximos dois anos.

Veja também: “Não tenho amizade com a família do Medina. Mas ele foi o campeão do ano passado”, diz Elka Gouveia