Seis brasileiros estão inscritos no Volcom Pipe Pro, etapa de 3 mil pontos do QS em Pipeline que deve rolar até o dia 10 de fevereiro

Por Redação HC

O período de espera para o Volcom Pipe Pro, etapa de 3 mil pontos do QS disputada em Pipeline, começou nesta terça-feira (29). A competição não rolou hoje e a próxima chamada está marcada para a quarta (30), às 14h (horário de Brasília).

Por diversas razões, já faz alguns anos que o campeonato acontece, seguidamente, em condições melhores que as do Pipe Masters. Ou maior, ou mais perfeito, ou os dois. Por ser uma etapa de pontuação média do circuito de qualificação, o campeonato não atrai necessariamente todos os grandes nomes do tour e tem uma inscrição muito mais fácil do que uma etapa de 6 ou 10 mil pontos, por exemplo.

Veja também: Kelly Slater e outros especialistas e Pipe de gala sob um outro ângulo – assista

Assim, o campeonato é visto como uma grande oportunidade para competidores não só desfrutarem, por mísera meia hora, que seja, de um line-up praticamente vazio da onda mais famosa e crowdeada do planeta; mas também para treinarem ali em condições que serão repetidas em outras competições – leia-se: o Pipe Masters.

Por mais que atletas se dediquem à bancada no free surf, o que acontece numa bateria é completamente diferente. O tempo é curto e não só é possível como é necessário ficar embaixo do pico, dropar no crítico e buscar o máximo de profundidade no tubo.

Apesar disso tudo – oportunidade de treinar Pipe no “modo competição”, oportunidade de surfar a onda só com mais três caras na água e uma inscrição relativamente fácil, que não exige um seeding alto -, não temos, em 2019, um grande número de brasileiros competindo na etapa.

Nesta edição, são seis representantes tupiniquins: Yago Dora, Wiggolly Dantas, Lucas Silveira, Jerônimo Vargas, Vitor Ferreira e Herbert Moreno.

O campeonato não terá Kelly Slater nem John John Florence, seus maiores vencedores.

O Brasil já teve finalistas em três edições do evento: em 2014, Wiggolly Dantas foi vice-campeão, atrás de Kelly Slater, e Adriano de Souza ficou em quarto; em 2017, Mineiro voltou a fazer a final, ficando com a segunda colocação, atrás do australiano Soli Bailey; e em 2018 foi a vez de Weslley Dantas (foto de capa) chegar à final em um mar cabuloso. Na final, Weslley ficou em terceiro, atrás de Josh Moniz e Jamie O’Brien.

Para acompanhar o seeding completo e assistir ao evento ao vivo, entre aqui.