Em um dia relativamente curto de surf nesta quinta (11), as cinco baterias restantes da terceira fase entre o homens mais os seis confrontos da terceira fase feminina do Quiksilver e Roxy Pro foram para a água em ondas de três a quatro pés em Les Culs Nuls, França.

Entre as mulheres, as duas líderes do circuito foram eliminadas precocemente, levando a disputa do título mundial para a última etapa do calendário, na poderosa direita de Honolua Bay, no Havaí. Stephanie Gilmore, primeira colocada, tem uma vantagem de quase 7 mil pontos sobre a vic-líder, Lakey Peterson, e precisa apenas duas baterias para garantir seu sétimo título. A americana, além de torcer para que Steph caia nas primeiras fases, precisará vencer a etapa para ficar com o troféu.

Veja também: Filipe Toledo é eliminado na França e abre caminho para Medina

A brasileira Tatiana Weston-Webb, que chegou à França já sem chances matemáticas de conquista do título mundial, continua fazendo uma boa campanha no Roxy Pro. Dona da melhor nota individual do campeonato até agora (8,83 na primeira fase), Tati fez a segunda melhor média do dia, atrás apenas da havaiana Carissa Moore.

Carissa entrou na água na primeira bateria e foi a única a superar a casa dos oito pontos nesta quinta, com um ataque muito potente às ondas. Em sua melhor onda, ainda surpreendeu e variou o repertório com um 360 de backside manobra quase nunca vista no circuito. Johanne Defay passou em segundo atrás da havaiana e a taitiana Vahine Fierro, que recebeu o convite para correr esta etapa, ficou em 3º.

Na sequência, Steph Gilmore, Courtney Conlogue e Malia Manuel foram para a água. Enquanto havaiana e americana construíram scores consistentes com ondas medianas, Steph não achou nada durante todo o duelo. Chegou ao final da bateria precisando de 8,33 para passar à segunda posição e avançar à próxima fase. Pegou a maior onda de toda a bateria, uma sólida esquerda, e aplicou cinco ou seis manobras, emendadas em um linha bonita de base lip, sem afobação. A nota veio: 8,27, pouco menos do que precisava.

Para seu alívio, Lakey não conseguiu superar as boas atuações de Coco Ho e Bronte Macaulay. Passou os últimos 10 minutos na terceira posição e não conseguiu o 6,54 que precisava para se classificar.

A última bateria viu Tati Weston-Webb aproveitar as esquerdas para mostrar que tem o frontside tão potente quanto seu já famoso surf para a direita. Venceu Sally Fitzgibbons e Macy Callaghan do início ao fim da bateria e segue em busca de sua primeira vitória no ano. Na briga entre as australianas pela segunda vaga, a jovem Macy levou a melhor sobre a veterana Sally.

Michael Rodrigues derrota Zeke Lau e vai para o round 4

Único brasileiro a entrar na água na sequência da terceira rodada entre os homens, Michael Rodrigues venceu o Ezekiel Lau e juntou-se a Gabriel Medina, Willian Cardoso e Adriano de Souza no round 4.

Michael mostrou muita intimidade com rampas em beachbreaks e completou uma sequência de aéreos de frontside que foi imbatível para o pesado havaiano.

Michael Rodrigues não deu qualquer chance a Ezekiel Lau

Quem também usou as decolagens para avançar nesta quinta foi Julian Wilson, terceiro colocado no ranking e único surfista não-brasileiro com chances de título mundial em 2018. Ele fez uma média idêncita à de Michael (13,53) para superar Joan Duru, último representante francês na disputa.

Nas demais baterias, Mickey Wright passou por Joel Parkinson; Sebastian Zietz venceu Griffin Colapinto e subiu muito suas chances de permanência na elite após um começo de ano ruim; e Kolohe Andino vencia Patrick Gudauskas quando foi punido por uma interferência bizarra – tinha a prioridade, mas dropou em uma onda de Pat uma fração de segundo depois do soar da buzina que encerrava a bateria – e eliminado. Assim como Seabass, o mais competitivo dos Gudangs melhora sua chance de chegar aos top 22, embora ainda esteja muito difícil para ele.

Próxima chamada na madrugada desta sexta, 3h no horário de Brasília.

Para ver cada onda surfada no dia de hoje (e nos outros do campeonato), aproveite que o heat analyzer ainda existe e entre aqui (masculino) e aqui (feminino).