Muitos títulos mundiais são especiais e pelos mais diversos motivos. Mas nenhum jamais vai se equiparar ao de Adriano de Souza. O caminho percorrido por Mineiro, desde sua infância até conquistar o título e o respeito máximo de toda a comunidade do surf mundial, será para sempre inspiração não apenas para jovens surfistas, mas para todos aquele que, no Brasil, vivem uma vida de dificuldades materiais, de poucas expectativas quanto ao futuro, de aparente desesperança.

Mais que o título mundial. Adriano de Souza venceu na vida. E, como relembra o diretor Loïc Wirth, em uma reedição de um trabalho da época: o resto é mar. Assista:

Pelas palavras de Loïc:

Em um lugar onde arco íris raramente aparecem, Adriano de Souza acreditou que podia tocar em um. E assim fez.

Essa é a minha versão do diretor de dois trabalhos em que estive envolvido (para a World Surf League – WSL – e para a Red Bull TV) buscando contar a história de Adriano.

Ficava cada vez mais comovido conforme ia conhecendo mais sobre ele, descobria onde ele nasceu e entendia sua trajetória de lá até se tornar Campeão Mundial de Surf.

É comovente perceber que muitas crianças sem privilégios agora podem olhar para ele e saber que elas também podem ter sucesso, mesmo contra todas as barreiras e preconceitos que a sociedade cria para os impedir.

Disse para o Adriano que queria fazer uma versão reduzida do que tinha filmado e pedi a ele para contar duas histórias enquanto tomávamos um café. São as histórias desse filme.

Que nós, enquanto sociedade, possamos caminhar para um mundo em que crianças como o Adriano não sejam mais a exceção.

Veja também: Maya Gabeira pede igualdade para recorde de ondas grandes


Assine nossa newsletter e receba toda semana os conteúdos mais incríveis da Hardcore