Miguel Pupo, Yago Dora (foto), Michael Rodrigues e Jessé Mendes seguem na briga em Maresias; Wesley Santos precisa ficar em 3º para conquistar título sul-americano

Por Fernando Maluf

Em um dia cheio de pausas e retomadas, os nomes fortes do Circuito Mundial da WSL enfim mostraram suas armas e dominaram as ações no Red Nose São Sebastião Pro, nesta sexta (2), em Maresias. Miguel Pupo e Yago Dora fizeram a segunda e a terceira somas mais altas do evento na mesma bateria, Michael Rodrigues e Jessé Mendes também foram bem e avançaram sem problemas. A exceção foi Italo Ferreira, que caiu no início da quarta rodada.

Foram realizadas as sete baterias restantes do round três e as oito do round quatro. Autor da única nota 10 e dono também da maior média do campeonato, Marcos Correa acabou eliminado na última bateria do dia.

A primeira paralisação não estava nos planos da organização. Renan Pulga Peres era líder de sua bateria, a quarta do dia, quando foi punido com uma interferência. Miguel Pupo foi para a primeira posição e Gabriel Farias foi para a segunda. Pulga ficou inconformado e fez uma reclamação formal à organização.

Eventualmente, os juízes aceitaram rever o lance. Após a vitória de Samuel Pupo na segunda bateria do round quatro, seguido por Jessé Mendes, em segundo, o campeonato entrou em espera. Após um bom tempo, optou-se por manter a decisão original de interferência e a bateria seguinte foi para a água. Nesse meio tempo, o mar tinha piorado e Italo Ferreira ficou em terceiro lugar numa bateria em que não achou boas ondas, ao contrário de Mateus Herdy e Yagê Araújo. Thiago Camarão ficou em quarto e saiu esbravejando contra a decisão de colocar a bateria na água.

Para estarrecimento do local de Juqueí, o campeonato parou logo depois dessa bateria.

Na volta, as cinco baterias restantes do round quatro correram sem interrupções, em condições bem melhores que as da manhã.

Robson Santos passou em segundo atrás do catarinense naturalizado Vicente Romero e segue alimentando esperanças de participar de Tríplice Coroa Havaiana. Para isso, ele calcula que precisa chegar à final. Local da região, Robson tem sido um dos destaques da competição desde o primeiro dia.

Vale um destaque também para o pernambucano Douglas Silva. Neste que é apenas o seu segundo evento do QS no ano, recheado de estrelas do surf mundial, ele venceu todas as quatro baterias que correu até agora.

Flávio Nakagima não conseguiu aproveitar o fato de tirar um 8,50 logo no início da bateria e acabou sucumbindo ao ritmo frenético de Alex Ribeiro e Michael Rodrigues.

Tamaê Bettero e o francês Nomme Mignot dominaram as ações em sua bateria e terminaram empatados em pontos. Nomme, que passaria por sósia de Sebastian Zietz, é um dos dois gringos ainda na disputa: o outro é o americano Nolan Rapoza, que passou em segundo, atrás de Douglas, na bateria que abriu essa rodada.

A bateria de Miguelito e Yago foi uma das melhores do campeonato até agora. E assim como a primeira que recebeu esse título, contou com a presença do grommet Eduardo Motta.

Dudu eliminou o cabeça de chave Marco Fernandez na mesma bateria em que Marcos Correa arrancou o único 10 do campeonato. Assim, tinha garantido sua melhor participação de sua carreira recém-iniciada em uma etapa do QS. Na rodada seguinte, ele foi bem e demonstrou que em breve vai lutar de igual para igual com os melhores.

Yago brincou na bateria, fez o que quis. Arriscou aéreos em todas as ondas e completou todos. Levou a bateria assim, se divertindo, com notas altas do início ao fim. Terminou com o segundo lugar após Miguel destruir uma esquerda com duas manobras muito críticas, incluindo uma impressionante recuperação para se levantar após sumir na espuma na segunda delas. Na verdade, ele tinha caído sentado. Os juízes aparentemente não viram e deram a nota mais alta do duelo ao local, que passou em primeiro. Bino Lopes, um dos brasileiros mais contantes no QS nos últimos anos, terminou na quarta posição.

Outro destaque do evento tem sido e demora, que às vezes parece infinita, para a avaliação das ondas. Yago confirmou a impressão ao sair de sua bateria: “Fiquei esperando 15 minutos por uma nota!”

A previsão aponta para melhores condições no domingo, mas a próxima chamada será na manhã do sábado (3).

Para ver os resultados na íntegra e acompanhar as próximas chamadas do Red Nose São Sebastião Pro, entre aqui.