“Pensei que fosse um pedaço de navio”, afirma homem que encontrou carcaça do animal próximo ao rio Murray, no sul da Austrália.

 

Por Redação HC

 

No último sábado (16), um casal encontrou uma espécie rara de peixe-lua próxima as águas do rio Murray,  na costa sul australiana. O animal foi encontrado já sem vida e encaminhado para pesquisadores locais.

O peixe-lua é considerado um dos maiores fósseis vivos do mundo, podendo medir até dois metros e meio. O exemplar encontrado possuía 1,8 metros. Ele se alimenta principalmente de águas vivas e zooplâncton e pode chegar ao peso de uma tonelada.

O Mola Mola, como também é conhecido o peixe, habita as águas do Hemisfério Sul, espalhados pelos mares da Ásia e América. Não costumam vir a costa e migram em busca de águas tropicais e temperadas.

Veja também: baleia morre de fome após ingerir 40 quilos de plástico

Para o biólogo Ralph Foster do South Australian Museum o aparecimento do peixe na Austrália é incomum e curioso. “Essa é a terceira vez que registramos a presença de um Mola Mola por aqui. Curiosamente, os casos estão se tornando cada vez mais recorrentes”, ressalta.

Peixe-Lua (Foto: Reprodução/Facebook)

De acordo com a bióloga Michelle Starr, a comunidade científica nunca registrou indícios da presença do peixe-lua no Hemisfério Norte. Acredita-se que seu potencial migratório seja o fator de seu surgimento em águas tão distantes.

“Ainda há muito a se aprender sobre esses peixes enigmáticos. Não podemos subestimar sua capacidade de viajar – o peixe-lua oceânico registrou nadar até 26 quilômetros em um dia a uma velocidade de 3,2 quilômetros por hora.  Quem sabe onde eles vão aparecer a seguir?, diz Michelle.