O paranaense Peterson Crisanto faturou o título da primeira etapa com pontuação máxima do WSL Qualifying Series 2018 e saltou da 42.a para a primeira posição no ranking que classifica dez surfistas para a elite dos top-34 da World Surf League. No sábado decisivo do QS 10000 Ballito Pro nas ondas de Willard Beach, o campeão ganhou o duelo brasileiro com o paulista Thiago Camarão pelas quartas de final, depois bateu o havaiano Seth Moniz que tinha assumido a liderança do ranking na sexta-feira e na grande final derrotou o australiano Jack Freestone. Esta foi a quarta vitória verde-amarela na temporada e o Brasil segue ocupando metade das vagas do G-10 para o CT de 2019.

“Eu nem consigo acreditar que ganhei este campeonato e estou muito feliz porque é a maior vitória da minha carreira”, disse Peterson Crisanto. “Dois anos atrás, eu perdi meu patrocinador principal e fiquei só competindo no Brasil para juntar dinheiro para poder viajar. Foram tempos difíceis, mas segui trabalhando forte para conseguir meus objetivos. Estou muito feliz por estar de volta ao Circuito Mundial, competindo contra os melhores surfistas do mundo e ganhar a quinquagésima edição deste evento é muito especial para mim”.

VEJA TAMBÉM:

Sem patrocínio, brasileiros tiram leite de pedra no QS

Quinze tubarões famintos, nenhum ataque: Vídeo mostra eficiência de “repelente”

Kelly Slater está construindo uma versão do Surf Ranch para as Olimpíadas? 

O mar melhorou bastante no último dia em Willard Beach para fechar a histórica edição número 50 do Ballito Pro. Apesar dos longos intervalos entre as séries no sábado, quando elas vinham, proporcionavam boas condições para os surfistas mostrarem todo o seu talento. Na grande final, as primeiras ondas só foram surfadas depois de 8 minutos, com Peterson Crisanto largando na frente com notas 5,50 e 8,73 para liderar toda a bateria.

O australiano Jack Freestone entrou na briga surfando uma boa onda que valeu 7,83, após também somar um 5,50. Mas, foi o brasileiro que ficou mais ativo dentro d´água e aumentou seu placar em duas ondas seguidas que renderam notas 6,93 e 8,20 num tubo seguido por três manobras muito fortes numa boa direita em Willard Beach. Com ela, sacramentou a sua vitória mais importante da carreira por 16,93 a 14,13 pontos, faturando 40.000 dólares de prêmio.

“O início do ano foi muito ruim para mim e mal consegui passar baterias nos eventos do QS 3000 e QS 6000”, contou Jack Freestone. “Mas, Ballito é geralmente onde começa o ano e estou muito feliz em conseguir o segundo lugar no primeiro QS 10000 da temporada. Isso significa muito para mim, especialmente aqui em Ballito, onde eu nunca consegui passar de um quinto lugar. Foi um ótimo resultado, agora estou em quinto no ranking e de volta na briga por vaga no CT”.

O australiano já conquistou o bicampeonato mundial Pro Junior e fez parte da elite da World Surf League até o ano passado. Ele chegou na África do Sul em 158.o no ranking e agora é o quinto colocado. Para chegar na grande final, Jack Freestone primeiro derrotou o neozelandês Ricardo Christie, que também entrou na lista dos dez indicados pelo QS para completar os top-34 do CT. Depois, ganhou a semifinal australiana com Wade Carmichael para assumir a quinta posição na classificação geral das 36 etapas completadas neste sábado.

Daqui um mês, Peterson Crisanto defenderá a liderança do QS no US Open, em Huntington

 

NOVIDADES NO G-10

Além dos finalistas e de Ricardo Christie, mais um surfista ingressou no G-10 em Ballito, o paulista Thiago Camarão, que perdeu o duelo brasileiro das quartas de final para o campeão Peterson Crisanto. O atual campeão sul-americano da WSL South America saltou da 58.a para a décima posição no ranking com o quinto lugar na África do Sul. Os quatro tiraram da lista os brasileiros Alex Ribeiro e Miguel Pupo, o italiano Leonardo Fioravanti e o sul-africano Matthew McGillivray.

O Brasil continua ocupando metade das vagas do G-10 para o CT 2019. Peterson Crisanto assumiu a liderança do ranking que estava com Alejo Muniz. O catarinense caiu para a quarta posição e o ex-vice-líder, Deivid Silva, desceu para o sexto lugar. Depois, vem Thiago Camarão em décimo e em 11.o o potiguar Jadson André, que está fechando a lista no momento porque o número 3 do ranking, Mikey Wright, vai garantindo sua vaga entre os 22 primeiros do CT que dispensam a classificação pelo QS.

Jack Freestone ganhou mais de 150 posições no ranking do QS com o vice em Ballito

PRÓXIMAS ETAPAS

Depois do Ballito Pro, serão disputadas algumas etapas menores com status QS 1000 e QS 1500 na Indonésia, Japão e México, antes do próximo evento com pontuação máxima do WSL Qualifying Series 2018, o QS 10000 Vans US Open of Surfing, de 30 de julho a 5 de agosto em Huntington Beach, na Califórnia, Estados Unidos. No entanto, todas as atenções continuam voltadas para a África do Sul, onde nesta segunda-feira começa o sexto desafio do World Surf League Championship Tour, o Corona Open J-Bay nas direitas de Jeffreys Bay, que ano passado foi vencido pelo brasileiro Filipe Toledo.

Texto: WSL/João Carvalho; Imagens: WSL/Cestari