Você também teve problemas assistindo pela internet à transmissão do Corona Open J-Bay? Se a venda dos direitos de transmissão de seus eventos para o Facebook despertou dúvidas quando anunciada, cheia de entusiasmo, pela WSL, hoje as dúvidas não existem mais. Quedas na transmissão, impossibilidade se assistir em outras línguas, vídeo mais difícil de carregar, obrigatoriedade de ter o aplicativo do Facebook para ver no celular… Não são poucas as desvantagens listadas incessantemente por todo mundo que tentou assistir aos primeiros dias de competição em Jeffreys Bay, os primeiros de exercício do contrato de exclusividade entre a WSL e a rede social de Mark Zuckerberg.

Se você já tinha tentado assistir a qualquer evento (mesmo os da WSL) ao vivo no Facebook, já sabia o que esperar. Sim, tem sido assim tão ruim. De quebra, ainda perdemos o heat analyzer, que, sabe-se lá por que, ainda não está funcionando. Resta esperar que melhore.

O que deixa tudo um pouco mais desagradável é que J-Bay quebrou perfeito, perfeito, nesses dois primeiros dias de competição. É uma dificuldade enorme colocar os melhores surfistas do mundo em ondas que de fato mereçam a mesma alcunha. Nem sempre o swell aparece, nem sempre o vento é ideal, nem sempre o pico é TÃO BOM assim… Então, quando tudo flui magicamente para os top 34 demonstrarem sua habilidade em condições espetaculares, daquelas que fazem mortais como eu e você abrirmos a boca em descrença, assistir ao campeonato de repente se torna uma dificuldade. Frustrante.

VEJA TAMBÉM:

Vídeo demonstra a eficiência de “repelente” de tubarão

Kelly Slater anuncia aposentadoria – mas só no final de 2019

Guga Kuerten surfa piscina de ondas de Kelly Slater na Califórnia; assista

Os surfistas não têm nada a ver com isso e têm feito sua parte nesses dois dias. Se Filipe Toledo foi o parâmetro do que o bom surf em J-Bay deveria ser no dia de abertura, nesta terça (3) foi Joel Parkinson quem surfou a melhor onda da melhor maneira.

Foram para a água as dez baterias remanescentes do round dois e as primeiras quatro baterias do round três.

Ian Gouveia venceu sua bateria contra Owen Wright. A segunda onda no somatório de Ian, avaliada como um 6.23 pelos juízes, teria saído pelo menos meio ponto mais alta fosse Ian um dos top 10 do circuito. O resultado final, com três centésimos de ponto a menos para o brasileiro (14.26 a 14.23), dificulta bastante a reclassificação de Ian para a elite no próximo ano via CT. Sem perder a esperança em uma finalização entre os top 22, afinal Ian tem surf para isso, a missão agora deve ser focar nas etapas mais poderosas do QS.

Ian Gouveia: mais uma boa apresentação, mas outro 25º lugar.

Um exemplo de nome que tem recebido o benefício da dúvida em praticamente toda etapa até agora: Mikey Wright. Independentemente da razão da WSL para dar os convites ao australiano, ele teve um caminho difícil no começo do ano e conseguiu lidar bem com ele – foram vitórias incontestáveis contra John John, Medina e Julian nas primeiras etapas. Neste momento, já chamado de concorrente ao título mundial por veículos estrangeiros, Mikey tem o aval ser bem avaliado sem fazer necessariamente o melhor possível. Jessé Mendes surfou bem, e exigiu mais uma boa apresentação do caçula Wright, que venceu a bateria com justiça. Mas vale uma comparação entre a última onda de Mikey (7.90) e a última de Ian (6.23). A onda de Mikey foi melhor, mas não por essa diferença.

Tomas Hermes venceu Matt Wilkinson no round três e teve uma missão indigesta logo na sequência: surfar contra Jordy Smith logo depois de um tubarão branco ser “tocado” para longe do line-up. Jordy foi superior a Tomas nesta bateria, e consolidou sua recuperação no ranking.

Michael Rodrigues e Adriano de Souza, dois dos surfistas mais sedentos por direitas velozes no circuito, também venceram no round dois. Michael teve vida mais fácil e amassou Keanu Asing. Adriano (na foto de capa) precisou de quase metade da bateria para mostrar pela primeira vez como um campeão surfa em J-Bay. Velocidade, leitura de onda, movimentos contidos entre as sessões e amplos durante as manobras… O oito e meio de Mineiro foi uma aula. Azar de Patrick Gudauskas, que começa a voltar à realidade após um excepcional 3º lugar em Bells.

 

So casual, @joelparko 😎 #CoronaOpenJBay @corona

Uma publicação compartilhada por World Surf League (@wsl) em

No round três, Joel Parkinson acabou com qualquer esperança que Michel Bourez ainda poderia ter de se tornar um campeão mundial em 2018. Aliviado de um peso enorme ao anunciar sua aposentadoria, Parko fez um surf vintage  em sua melhor onda, devidamente avaliada com o melhor single score do dia e do evento até agora: 9.37.

A previsão é de boas ondas ao longo da semana. As próximas baterias do round três devem ser chamadas já na madrugada desta quarta (4). Duas baterias são 100% brasileiras: primeiro, Filipe Toledo enfrenta Yago Dora; logo depois, Michael Rodrigues duela com Adriano de Souza. Wiggolly Dantas tem a chance de dar uma enorme ajuda aos amigos do top 5: ele enfrenta o líder do ranking, Julian Wilson, na segunda bateria do dia. Willian Cardoso enfrenta Kanoa Igarashi e Gabriel Medina tem missão difícil contra Connor O’Leary, dono da maior somatória do segundo dia.

Texto: redação HC; fotos: WSL/Cestari/Tostee

Corona Open J-Bay – Resultados do round dois:

3: Michel Bourez (PYF) 12.16 def. Miguel Pupo (BRA) 11.50
4: Jordy Smith (ZAF) 14.33 def. Kelly Slater (USA) 11.74
5: Owen Wright (AUS) 14.26 def. Ian Gouveia (BRA) 14.23
6: Adrian Buchan (AUS) 13.33 def. Michael February (ZAF) 12.50
7: Michael Rodrigues (BRA) 14.47 def. Keanu Asing (HAW) 10.70
8: Wade Carmichael (AUS) 16.14 def. Joan Duru (FRA) 11.34
9: Adriano de Souza (BRA) 13.80 def. Patrick Gudauskas (USA) 12.77
10: Mikey Wright (AUS) 16.17 def. Jesse Mendes (BRA) 15.26
11: Connor O’Leary (AUS) 17.16 def. Ezekiel Lau (HAW) 13.57
12: Tomas Hermes (BRA) 14.07 def. Matt Wilkinson (AUS) 13.30

Resultados do round três:
1: Joel Parkinson (AUS) 16.87 def. Michel Bourez (PYF) 15.80
2: Conner Coffin (USA) 16.57 def. Adrian Buchan (AUS) 15.30
3: Jordy Smith (ZAF) 14.07 def. Tomas Hermes (BRA) 12.63
4: Frederico Morais (PRT) 15.67 def. Kolohe Andino (USA) 14.53

Baterias restantes do round três:
5:
 Jeremy Flores (FRA) vs. Wade Carmichael (AUS)
6: Julian Wilson (AUS) vs. Wiggolly Dantas (BRA)
7: Filipe Toledo (BRA) vs. Yago Dora (BRA)
8: Michael Rodrigues (BRA) vs. Adriano de Souza (BRA)
9: Owen Wright (AUS) vs. Sebastian Zietz (HAW)
10: Willian Cardoso (BRA) vs. Kanoa Igarashi (JPN)
11: Griffin Colapinto (USA) vs. Mikey Wright (AUS)
12: Gabriel Medina (BRA) vs. Connor O’Leary (AUS)


Assine nossa newsletter e receba toda semana os conteúdos mais incríveis da Hardcore