Mais tradicional campeonato de surf do Brasil, Hang Loose Pro acontece entre 19 e 24 de fevereiro na Cacimba do Padre, como etapa de 6 mil pontos do QS

Por Fábio Maradei

O Brasil ganhou mais um reforço de peso no calendário para seguir no topo. O Hang Loose Pro Contest, um dos mais tradicionais eventos do Circuito Mundial, está de volta ao paradisíaco e preservado arquipélago de Fernando de Noronha. A notícia mais esperada por todos os surfistas a cada ano, tanto pela qualidade de ondas (tubulares) quanto pelas belezas naturais do lugar, foi confirmada pelo empresário Álfio Lagnado, proprietário da Hang Loose e, sem dúvida, um dos maiores entusiastas do surf brasileiro.

O Hang Loose Pro Contest 2019 terá status QS 6000 do Circuito Qualifyng Series, da World Surf League (WSL), valendo importantes 6 mil pontos na disputa pelas dez vagas para a elite mundial logo no início da temporada. Isso atrairá surfistas de vários países e será uma grande oportunidade para os melhores atletas do País. A competição será realizada na praia da Cacimba do Padre, de 19 a 24 de fevereiro, período que a ilha recebe grandes ondulações, com os tubos mais perfeitos do Brasil. Outro atrativo é a premiação de US$ 130 mil, sendo US$ 25 mil ao vencedor.

Veja também: Gabriel Medina e Julian Wilson decidem o título mundial em Pipeline

“Estou muito feliz em anunciar a volta do mais tradicional campeonato mundial de surf do Brasil para a melhor onda do País, na paradisíaca ilha de Fernando de Noronha. Graças ao apoio do Governo de Pernambuco, conseguimos retornar em grande estilo, com um QS 6000, que trará os melhores surfistas do Mundo para os tubos da Cacimba do Padre, com certeza”, diz Álfio.

O Diretor Geral da WSP South America, Xandi Fontes, também comemora o retorno do evento para Noronha, por sua tradição, qualidade de ondas e, sobretudo, pela data escolhida, no início da temporada, colaborando diretamente para a ascensão dos atletas no ranking. “Estou muito feliz com a volta do Hang Loose Pro em Noronha, por sua tradição e importância no cenário mundial, por tudo que esse evento representa”, diz. “É muito importante voltarmos a abrir o calendário da WSL com uma etapa tão importante e especial como Noronha, com importantes pontos para os nossos atletas logo no início da temporada e com ondas perfeitas”, reforça.

Parte importante da história e do fortalecimento do surf no Brasil, o Hang Loose Pro Contest começou a ser disputado ainda em 1986, na Praia da Joaquina, em Florianópolis/SC. Depois passou pela Praia das Pitangueiras, em Guarujá/SP, e em 96 chegou ao Nordeste, onde foram realizadas 17 edições, sempre em Pernambuco, sendo 13 em Noronha, quando a disputa se tornou ainda mais emblemática e desejada por todo o cenário envolvido.

No arquipélago, foi realizada de 2000 até 2012 ininterruptamente. Depois disso, o evento retornou em 2016, para comemorar os 30 anos da disputa inicial, novamente em Floripa, e no ano seguinte foi a vez de Maresias, em São Sebastião/SP, outro pico badalado e que recebeu o Hang Loose Pro Contest três vezes. Até hoje, foram 31 edições, tendo o ícone australiano Tom Carroll como bicampeão em 87 e 88.

O primeiro brasileiro a vencer foi o paraibano Fábio Gouveia, em 90, já em Guarujá. Também entraram para a galeria de bicampeões da etapa, Nicky Wood, também da Austrália, com duas conquistas em Pitangueiras, em 91 e 92, e o paranaense Peterson Rosa, em 95, no mesmo palco e 99, em Maresias. Já em Noronha, o último vencedor foi o paulista Miguel Pupo, em 2012.