Prove que é um ser humano: 4   +   6   =  

A laje do Shock, em Niterói, é um dos picos mais sinistros do Brasil e Daniel Rangel sabe disso. Os dois estiveram nas páginas da edição de junho da HARDCORE, com o surfista debaixo de um lip que parecia mais grosso que ele mesmo, e são velhos conhecidos.

Acontece que em um lugar como o Shock, até quem frequenta nas condições mais pesadas e já conhece bem o pico está sujeito a passar um perrengue. E que perrengue, meus amigos:

 

{Shame Swim Blues.} If you think the first guy got it bad; Wait for it, I’m right behind 😂😂 . (Lost my favorite @futuresfins quad set during this shannanigan, do I get a discount on buying some new ones 🤷🏾‍♂️) . -Quando você acha que sabe o que tá fazendo mas na verdade não sabe de nada meu jovem 🤦🏾‍♂️ A entrada do Shock e tão emocionante quanto qualquer onda surfada 😂😂 Respeito máximo aos locais que se aventuram aqui ha anos sem jet ski sem colete, só no pulmão e na coragem, vcs são sinistros. 🖤🤘🏾⚡️ || @mateusswerneck na primeira e eu na segunda 😆🤙🏾⚡️ . . . . . . @surfconnect #stormpatrol @redley85 @jucaiorganico @evoke @artinsurf @tunelcrew @undofortomorrow . . 📹: @ulysses_padilha / 🎼 B.B King/ edit: @rafaeluzai

Uma publicação compartilhada por @ foamball_unicorn em

Como o vídeo já mostra, ficou tudo bem com Daniel, mas a cena é assustadora. E depois do perrengue inicial, a sessão rolou normalmente – para os padrões do Shock. Para ilustrar, é mais ou menos assim:

 

Mas também tem a recompensa, que são tubos como esse:

Daniel Rangel, entre maus e bons momentos (como esse) no Shock. Foto: Lucca Biot

Fica aqui, mais uma vez, nosso reconhecimento: Daniel Rangel é muito casca-grossa.


Assine nossa newsletter e receba toda semana os conteúdos mais incríveis da Hardcore