Carissa Moore foi, ao lado de Gabriel Medina, a grande vencedora do Surf Ranch Pro. Assim como o brasileiro, Carissa também terminou a primeira fase na liderança do ranking do campeonato. Depois de um desempenho arrasador na final, demonstrou ser a surfista a ser batida na piscina de ondas. Os dois vencedores têm ainda outra semelhança: foram também os campeões do Future Classic, eventos de testes realizado na piscina em 2017.

Stephanie Gilmore, em segundo, Lakey Peterson, em terceiro, e Caroline Marks, em quarto, completaram a final.

Veja também

Fora da corrida pelo título mundial na temporada, Carissa aproveitou o fato de surfar sem pressão. Tanto no round preliminar quando na final, fez duas notas imbatíveis logo em sua primeira queda. Um contraste gigantesco com  a competição masculina, principalmente, que viu apenas três ondas serem completadas entre as primeiras dezesseis surfadas na final.

Na fase inicial, apesar da liderança de Carissa, Lakey e Steph tinham feito notas individuais mais altas, o que indicava que tinham potencial para ameaçar a havaiana. O que se viu na final, porém, foi Carissa fazer também as duas notas individuais mais altas, (9,00 e 9,20), as duas para a direita. Em sua melhor onda, arriscou um aéreo reverse na finalização que, se fosse completado, certamente renderia o único 10 de toda a passagem do circuito pelo rancho.

 

View this post on Instagram

 

Congratulations @rissmoore10, winner of the Surf Ranch Pro pres. by @hurley 🏆

A post shared by World Surf League (@wsl) on

Outro ponto em comum com o evento masculino foi a dificuldade de entender os critérios dos juízes. Caroline Marks amassou uma esquerda e na finalização completou o único aéreo da final. A nota recebia, 6,20, sequer entrou em seu somatório. Lakey também expressou verbalmente seu descontentamento e discordância com a nota recebida por sua última esquerda. Ela havia ultrapassado os nove pontos em uma esquerda na qualificação e tinha certeza que sua última nota deveria ser mais alta. Com 0,24 pontos a mais, ultrapassava Steph Gilmore e chegava à segunda posição.

A mudança teria grande impacto na disputa pelo título mundial, onde Steph começa a abrir vantagem. A diferença entre a primeira e segunda colocadas no ranking é de quase 7 mil pontos. Caso Lakey terminasse em segundo e Steph em terceiro, o número caía pela metade.

A próxima parada do circuito entre as mulheres é na França, entre os dias 3 e 14 de outubro.