Billy Kemper (foto de capa) vence em Jaws com duas ondas incompletas e desperta polêmica. “Não sei quem você está chupando na cabine dos juízes, mas eu quero esse número. Kai Lenny venceu”, escreveu o terceiro colocado, Albee Layer. Lucas Chumbo para na semifinal

Por Redação HC

Billy Kemper foi o vencedor do quarto Jaws Challenge, encerrado na noite – para o espectador brasileiro – desta terça (27) em ondas de até 30 pés com muito vento na baía de Pe’ahi. Ele recebeu duas notas altas por duas ondas incompletas, em que caiu dentro do tubo, o que levantou um ar de controvérsia sobre o julgamento, verbalizado pelo sempre falante Albee Layer:

“Não sei quem você está chupando na cabine dos juízes, mas eu quero o número dessa pessoa, Billy Kemper”, escreveu o local de Maui. “Kai Lenny venceu”.

Veja também: Keala Kennelly vence em Jaws bizarro e evento dos homens é paralisado

Kai Lenny, vencedor para Layer e segundo colocado para os juízes, completou o melhor tubo de toda a final – o único em que desapareceu atrás da cachoeira de 30 pés em Jaws e ressurgiu, equilibrado, em cima da prancha, cuspido pela baforada. A diferença entre essa onda e a melhor de Kemper, um drop mais crítico mas um tubo menor e incompleto (ele caiu antes de sair), na opinião dos juízes foi de apenas 0,26 pontos.

Com as melhores de cada um multiplicadas por dois, Kemper terminou com 23,84 (7,70 e 8,07 x2) por duas ondas que não completou, e Lenny com 23,56 (6,90 e 8,33 x2). Albee Layer, Tyler Larronde, Grant “Twiggy” Baker e Koa Rothman, na ordem, completaram a final e o pódio.

“Não quero que o Billy se sinta mal por isso”, disse Layer, mais tarde, ao jornalista australiano Derek Rielly. “Todos sabemos que ele quebra. Mas o julgamento precisa mudar”, completou o havaiano.

Lucas “Chumbo” Chianca, único brasileiro competindo em Maui, avançou sua primeira bateria com tranquilidade mas acabou barrado na semi, justamente por uma virada de Billy Kemper em sua última onda. Chumbo seguiu com sua marca registrada, a busca pela inovação e por uma linha progressiva no surf de ondas gigantes. Na semi, chegou a mandar um aéreo em uma esquerda. A decolagem rolou no meio da imensa parede da onda e exigiu habilidade e controle absurdos do surfista de Saquarema para ser completada.

Apesar da demonstração de habilidade com a manobra aérea, Chumbo tomou a virada com mais um tubo incompleto de Kemper, em uma onda maior e para a direita.

Com o término de dois dos três eventos do calendário do Big Wave Tour, Chumbo é o quarto colocado no ranking. O líder do circuito é o sul-africano Twiggy, campeão em Nazaré e finalista em Jaws. Billy Kemper ocupa a segunda posição e Kai Lenny a terceira, logo à frente de Lucas.

Último evento restante do circuito, o Mavericks Challenge tem até o dia 31 de março para acontecer.